sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Kelê, kele






Kelê, kele ou quelê é um fetiche ou seja: Objeto inanimado feito pelo homem ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto. Cofeccionado com "miçangas" fio de conta, intercalada com firmas de porcelana, pedras tipo ágata e cristal, terra cota, búzios, lagdba, até mesmo sementes. Sua cor varia de acordo com o orixá de cada iniciado na feitura de santo. O Kelê é uma aliança que tem a finalidade de unir o sagrado com o iniciado, num simbolismo de casamento perfeito com o seu orixá, usando restritamente no pescoço, na iniciação, obrigação de três, sete, quatorze e vinte e um anos de feitura. Depois de um período que pode variar de 12, 14, 16, 21 e até mesmo três meses da obrigação ritualistica, a "jóia" do orixá como também é chamada, é determinado pelo orixa, através do merindilogun a ser colocada no assentamento sagrado "Igba orixa", podendo permanecer até a ultima obrigação do iniciado chamada de axexê, quando este objeto tão sagrado e místico é desfeito. Artigo e fotografia publicado na Wikipédia 01h30min de 29 de dezembro de 2008, por Toluaye. Embora não seja habitual se partir, rouper ou quebrar o Kelê, mas quando isso acontece não necessariamente significa um mau presságio, quebra de precito, pensamentos impuros, palavões etc. e tal. Todavia pode acontecer pelos movimentos bruscos, suores com grande quantidade de gorduras corporal ou simplesmente um descuido dos laços utilizados no momento da sua colocação.