REVISTA CARAS EM 2011

Compartilhe

WhatsApp Windows Gadget Pocket Flipboard Blogger Facebook Twitter Google+ LinkedIn Pinterest Addthis

sábado, 30 de março de 2013

Koori – Aawon – Jewesun


Aawon - Òrìsá caçador cuida das folhas, dos jovens / crianças e Koori Konkoto a esposa do caçador e Òrìsá Olórì akewe – chefe dos jovens.
Não são òrìsà encontrados em uma aldeia, de modo que ele / ela podem ser facilmente encontrados na floresta.
Itan Koori.
Àgan-o-ríbi (àgan = mulher madura; o-Ribi = sem filhos, estéril) foi uma mulher que queria desesperadamente um filho.
Ela foi ao Bàbáláwo para consultar Ifá, ele sugeriu que ela ficaria melhor se não tivesse filhos.
Ela insistiu e ele recomendou um programa de ebo e outros rituais.
Foi longo, mas ela fez tudo.
Eventualmente, ela teve um filho, mas ele tinha uma ponta na cabeça.
Quando ele cresceu, ela também descobriu que ele era mudo.
Ela manteve-o dentro de casa e escondeu-o para mantê-lo seguro.
Quando ele se tornou uma criança de 5 anos.
Ela foi para o mercado um dia depois de dizer-lhe para não sair de casa.
Ele observou as crianças da vizinhança brincando por um tempo, depois saiu para se juntar a eles.
As crianças o receberam e tocaram nele, ele parecia estranho e como era mudo não falava.
Quando Agan-o-ribi chegou a casa na volta do mercado, ela ficou horrorizada.
Ela o trouxe de volta para casa e supôs que seria o fim dela.
Errado.
Logo as crianças do bairro ficaram em frente de sua casa chamando seu filho de:
 ”O menino com o chifre na cabeça” para vir brincar com eles.
Os pais começaram a olhar para ele.
Seu baba disse-lhe que a única maneira de mantê-lo seguro seria deixá-lo na floresta.
Ela assim o fez.
Agan-o-ribi visitou-o tantas vezes quanto podia sempre sozinha.
Um dia, ela não pôde encontrá-lo.
Ela nunca deixou de procura-lo.
Os espíritos da floresta estavam cuidando dele.
Um dia um caçador o encontrou.
Aawon, o caçador, perguntou como ele passou a viver no mato.
Ele descobriu que a criança não falava ou não podia falar.
Aawon levou a criança para a cidade e o nomeou Jewesun (pessoa que come folhas no jantar).
Ele era uma criança boa, que conhecia os segredos da floresta, animais e pássaros. A esposa de Aawon, Koori, cuidou dele.
Koori também era estéril.
Ela foi até o Bàbáláwo e este lhe disse que ela precisaria fazer sexo com uma pessoa muito jovem para ter filhos.
Quando perguntado sobre quem, ele disse que ela precisava ter relações sexuais com um garoto com um chifre na cabeça.
Quando ela voltou para casa, Koori fez avanços sobre o jovem.
Demorou um pouco para ele entender a mensagem de Koori, mas quando ele entendeu a mensagem, ele se recusou com honra.
São abuso sexual contra uma criança estas coisas, é contra a norma social e seus valores religiosos, você terá o Òrìsá chateado com você.
Ou será a própria cultura falando?
Koori ficou com raiva.
Aqui está este desconhecido que eu alimento e cuido e ele não quer me ajudar.
Ela decidiu mandá-lo embora.
Koori esperou até um pouco antes de seu marido voltar da caçada e Jewesun foi presenteado com um anel e ela o persuadiu a usá-lo.
Ela deu-lhe um pano para dormir (para se cobrir quando tivesse sono).
Quando Aawon chegou a casa, ele viu Jewesun coberto com o pano que ele e sua mulher geralmente dormiam.
A coberta supostamente seria para ser usada somente por eles.
Koori disse que Jewesun era um menino mau.
Ela disse que ele tentou me estuprar, porém eu resisti.
Ele me obrigou a dar-lhe o nosso anel e tomou o nosso pano de dormir.
Aawon perseguiu-o de volta para a floresta.
Jewesun voltou a uma vida natural.
Ele estava familiarizado com a floresta e era capaz de viver lá sem muitos problemas.
O chefe dos caçadores da cidade de Ilerá viu Jewesun na floresta e persuadiu-o a voltar para a cidade com ele.
Quando eles chegaram à cidade, o rei, o Alárá de Ilerá tinha acabado de morrer.
Os Bàbáláwo locais disseram estar procurando um estranho, um morador da floresta para ser o novo rei.
Os guerreiros vasculharam ao redor e descobriram que o chefe dos caçadores acabara de trazer um estranho para a cidade.
Eles foram até ele e encontraram Jewesun em sua casa.
Eles o trouxeram de volta ao palácio.
Quando ele chegou, eles tentaram limpá-lo, então, eles descobriram o chifre em sua cabeça e que ele era mudo. Eles disseram que não se poderia ter uma pessoa deformada como rei. Os mais anciãos disseram, que se deveria encontrar uma maneira de retirar o chifre e torná-lo capaz de falar.
Eles o fizeram.
Jewesun tornou-se um bom rei.
Enquanto isso, Koori e Aawon estavam tendo um momento ruim.
Eles não tiveram filhos, estavam sem comida e sem respeito.
Eles pediram ao Áwo local para divinar para eles e ele disse que tudo isto foi acontecendo com eles porque ela tinha “feito mal a um estranho”.
Eles precisavam propiciar Ògún e encontrar Jewesun para pedir desculpas e levá-lo de volta.
Depois que propiciassem Ògún, o problema deles poderia ser resolvido.
Para propiciar Ògún, eles teriam que pedir a todos os caçadores da região para participarem de uma festa que eles protagonizariam.
Haveria batuques, comida e dança.
No final da festa, Aawon foi perguntado por que eles precisavam de um ebo tão grande.
O que eles fizeram a ponto de precisar pedir a pessoas que eles nunca viram se reunirem em uma festa?
Aawon contou a história de Jewesun e como eles lhe haviam feito mal.
O chefe dos caçadores da cidade de Ilerá perguntou:
Esse menino tinha um chifre na cabeça?
Sim.
Esse menino era mudo?
Sim.
O chefe dos caçadores da cidade de Ilerá disse, eu sei quem é este rapaz, mas ele é o rei da cidade de Ilerá, você não pode convencê-lo a sair de sua cidade.
Aawon foi para a cidade de Ilerá.
Ele foi levado ao rei.
Jewesun perguntou se ele o reconhecia Aawon disse que não.
Jewesun disse que o chifre foi retirado e agora ele podia falar, mas que ele era a mesma pessoa em seu interior, como sempre.
Jewesun disse a Aawon que sua esposa havia mentido.
Eu nunca me aproximei dela, de modo que ela mentiu para me causar problemas com você.
Aawon não ficou feliz ao ouvir isso.
Os anciãos / conselheiros da cidade de Ilerá queriam decapitar Aawon por causa do mal que ele tinha feito ao seu rei.
Jewesun disse que não deveriam decapitá-lo por um ato de maldade.
Eu quero recompensá-lo porque ele me ajudou quando até a minha própria mãe me abandonou. Jewesun deu-lhe roupas e contas.
E o mandou para casa.
Ele também enviou pessoas para protegê-lo no caminho, como agora, ele tinha uma grande riqueza, ele poderia cuidar para que ele não fosse atacado no caminho de volta..
Aawon não queria voltar para sua esposa, ele agora a conhecia como uma mentirosa.
Uma vez que eles não poderiam trazer Jewesun de volta à cidade, eles jamais seriam bem sucedidos, eles não seriam capazes de alimentar ou ter filhos.
Eles teriam que constantemente viver da caridade da aldeia ou de Jewesun.
No caminho de volta para casa, Aawon disse aos guardas que estava indo ir defecar e entrou na floresta.
Ele tinha uma medicina de seu ancestral com ele e comeu um pouco.
O medicamento incluía yam batido (inhame pilado) e erva de Otrupon. (Òtúrúpon méjì).
O chão se abriu e o levou.
Os guardas comentaram que ele estava demorando muito e foram procurar por ele.
Ele já estava com meio corpo afundado quando o encontraram.
Logo, ele desapareceu em um jorro de água.
Eles chamaram o rio que se formou de: Rio que produz a água que nós bebemos na cidade.
Os guardas foram até a aldeia para contar a esposa de Aawon o que havia acontecido e devolver-lhe as riquezas, mas ela também havia desaparecido.
Ela tinha decidido que não poderia suportar olhar para seu marido ou para seu filho adotivo no olho.
Ela tomou o remédio de sua família, recostou-se contra a parede de tijolos de barro e desapareceu. Ambos Aawon e Koori tornaram-se òrìsá.
Aawon e Koori são os òrìsá dos jovens.
Ela cuida de filhos de outras pessoas.
Ela também é capaz de reformar maus filhos.
Uma vez por ano, todas as crianças sob seus cuidados vão ao rio com bananas, vegetais e cocô.
Eles trazem muita comida e bebida e todas as crianças da cidade comem, bebem e dançam.
A cidade inteira vai até o rio, como sempre tem um monte de comida e bebida sobrando, deixam toda a comida perto do rio e Konkoto, o menor pássaro da Nigéria, vem e come as sobras.
Algumas dessas aves podem entrar nas casas para viver com eles.
É por isso que os nomes Koori e Konkoto são usados ​​indistintamente para este òrìsá.
Não existe uma cidade ou vila que Koori não esteja em lugar de destaque.
Ela é encontrada em toda parte.
Se existem filhos, Koori sempre existirá.
O Alárá de Ilerá (rei de Ilerá) tem um chifre em sua coroa.
Os reis de Ilerá não seguem uma linhagem (não há sucessão familiar).
Os órfãos são filhos de todos nós.
As pessoas que não podem ou não tem filhos devem cuidar de outras crianças. Famílias de acolhimento são boas.
Nada pode tomar o lugar de um pai, mas um pai adotivo é melhor do que uma instituição.
O mundo inteiro não é uma família, porém, é uma aldeia.
Ègbé são as crianças que não nasceram com a gente.
Somente uma fração de nós nasce.
Nós brincamos juntos no céu antes de alguns de nós virmos a terra.
Eles ainda interagem com a gente.
Videntes são capazes de interagir conscientemente com o Ègbé òrun.
Ègbé Ogbà – para aqueles que não estão aqui.
*Será òrìsá Ègbé um òrìsà menor?
*Alguns òrìsà tem esta denominação de ‘menor’, por não ter um culto ‘famoso’, poucos adeptos e/ou iniciados. Convém afirmar que não é uma colocação pejorativa ou diminutiva.
Koori é a òrìsà da juventude e da vida, mas, como para viver não basta respirar, seu àse confere um sentido à existência de seus devotos, facilitando o processo pelo qual cumprirão seu bom destino. É protetor das crianças, especialmente das crianças Àbìkú. Todas as pessoas são constituídas de energias positivas e de energias negativas, mas em alguns casos o peso de elementos como dificuldades, teimosia e desgraças é acentuado. Koori é cultuado para romper com estas desgraças, trabalhando ao lado de Ègbé òrun e de Ibeji para manter os Àbìkú na Terra. Ao lado de Egúngún e de Ifá, atua para corrigir o mau destino de um devoto e para neutralizar um fluxo energético passageiro, mas nocivo.
Koori atua em questões relacionadas à fertilidade e a sobrevivência.

Compartilhe

WhatsApp Windows Gadget Pocket Flipboard Blogger Facebook Twitter Google+ LinkedIn Pinterest Addthis