REVISTA CARAS EM 2011

Compartilhe

WhatsApp Windows Gadget Pocket Flipboard Blogger Facebook Twitter Google+ LinkedIn Pinterest Addthis

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Processo mediúnico e os chackras


O processo mediúnico não se dá simplesmente no campo material. Envolve todo um complexo sistema com os múltiplos corpos que o ser humano possui, assim como os seus centros de força, que são os Chakras.

Os Chakras são os pontos localizados no corpo etérico – duplo-etéreo – e que conectam o corpo material ao corpo espiritual.


Há ao todo no ser humano sete corpos, do mais denso ao mais sutil, quais sejam: Material, Duplo-etéreo, Astral, Mental Inferior, Mental Superior, Búdico e Átma. Kardec simplificou esse sistema dividindo-o em apenas três: Material, Perispírito e Espírito, sendo que o corpo material compreenderia tanto o corpo físico e o duplo-etéreo; o perispírito compreende o corpo astral, mental inferior e mental superior; e o espírito compreende o corpo búdico e o átma.


No processo mediúnico devemos nos focar no corpo astral (perispírito), no duplo-etéreo e no corpo material. Os Chakras estão localizados no duplo-etéreo e encontram seus correspondentes no corpo astral – chamados de parachakras – e no corpo material, pelas glândulas endócrinas.


Existem centenas de chakras por todo o sistema energético humano, porém, os principais são os sete maiores, que se encontram mais ou menos alinhados com a nossa coluna vertebral, são: Básico ou Sacro ou Genésico, Umbilical ou Gástrico, Plexo Solar ou Esplênico, Cardíaco, Laríngeo, Frontal e Coronário.


Durante o processo mediúnico permitimos que a Entidade que irá se manifestar aproxime seu campo vibratório do nosso duplo-etéreo e corpo astral. No caso, o espírito não irá dominar a sua matéria, mas irá através da manipulação dos parachakras e chakras manifestar as suas vontades através dos aparelhos envolvidos. O Espírito desencarnado não possui mais duplo-etéreo, que seria o veículo intermediário entre o mundo espiritual e material.


A Entidade, depois de se familiarizar com o espaço vibratório do médium, começa a conectar seus centros de força aos do médium. Por exemplo: para falar, a Entidade irá dominar o chakra laríngeo do médium e manifestará sua voz através deste artifício e também irá conectar-se ao chakra frontal onde sugestionará as palavras ao médium, o qual falará com sua própria voz.


Mas não são apenas os chakras superiores (laríngeo, frontal e coronário) que são usados pelas Entidades, muitos outros estão envolvidos. O chakra básico é controlado, permitindo que o médium mantenha o transe enquanto suas funções biológicas se mantém estáveis e as funções basais operantes, por isso que os médiuns incorporados perdem a noção do tempo, não sentem necessidade de usar o toalete e não sentem frio, calor, fome, sono ou sede. Além disso, é extraída a energia telúrica e armazenada nutrindo as funções mais densas do corpo, inclusive a doação de energia ectoplásmica para os necessitados. O chakra sexual também sofre certa excitação, que nada tem a ver com o processo sexual em si, mas é um processo criativo e de nutrição. O plexo solar é o centro comandante das energias, sendo manipulado como usina geradora, transmutadora e absorvedora da irradiação da Entidade.


O chakra cardíaco é usado para o controle do corpo emocional. Além destes, são usados ainda o contrachakra do frontal, localizado na nuca e também o chakra umeral, que se localiza entre as escápulas, no meio das costas. Esses dois chakras são importantíssimos para a comunicação mediúnica, sendo sempre os primeiros a serem conectados com os centros de força da Entidade.


Outros chakras que são muito utilizados no processo mediúnico são os das palmas das mãos (palmares) e da planta dos pés (plantares). Aqui iremos encontrar várias discussões e informações, conforme a doutrina de cada um, porém vou relatar o que me foi passado pelos meus guias e os mentores aos quais tive contato.


Os chakras palmares têm polaridades conforme gênero, orientação de escrita e também através da convenção mental. Localizam-se no centro das palmas das mãos e pode ser atribuída polaridade negativa ou absorvedora ao chakra da palma esquerda e polaridade positiva e irradiadora da palma da mão direita. Essa orientação pode inverter caso o médium seja canhoto, seja mulher ou ele tenha a convenção mental contrária. Porém ele pode manifestar a mesma polaridade conforme lhe convir, através da visualização, pois em alguns casos é necessário irradiar as energias – como nos passes – com as duas mãos e em outras é necessário retirar as energias densas – como no descarrego – com as duas mãos.


Os chakras plantares (dos pés) seguem o mesmo princípio, porém, as solas dos pés são mais usadas como descarregadoras (uma função de grounding ou como fio-terra). Por este motivo, os médiuns devem trabalhar descalços, assim as entidades absorvem as energias negativas e deletérias pelas palmas das mãos e descarrega no chão através dos pés, onde essa energia irá até o centro telúrico e se transmutará. O inverso pode ocorrer também, retirando como uma sonda a energia da terra pelos pés e canalizando ela através das mãos, dos assobios e da fumaça.


Compartilhe

WhatsApp Windows Gadget Pocket Flipboard Blogger Facebook Twitter Google+ LinkedIn Pinterest Addthis